buscar no site de Piraju

Endereço Prefeitura: Praça Ataliba Leonel, 173 - Centro - Cep 18800-020 - Piraju/SP

Quarta
Céu nublado com chuva fraca

Min. 15
Máx. 23

Quinta
Céu nublado com chuva fraca

Min. 15
Máx. 23

Sexta
Céu nublado com chuva fraca

Min. 16
Máx. 27

DADOS HISTÓRICOS

 

ESTÂNCIA TURÍSTICA DE PIRAJU - SP

 

Piraju é uma cidade pitoresca na região cafeeira do Estado de São Paulo, distante 340 km a oeste da capital, próxima à fronteira com o Paraná.

Em 1915, sua população era somente de 4.000 habitantes. Hoje, totaliza quase 30 mil. Piraju foi a segunda menor cidade do Brasil – após Bom Sucesso-Minas Gerais – a ter um bonde elétrico. Também foi uma das poucas cidades do Brasil a ter linhas rurais de bonde elétrico.

Nas terras da atual Estância de Piraju viviam pequenas tribos indígenas Cayowá, em pontos próximos ao rio Paranapanema e outros riachos. Provavelmente, foi com estes nativos que originou a primeira designação conhecida do local, “Tijuco Preto”, que pela linguagem tupi-guarani significa “caminho de entrada”.

 A partir de 1800, aos poucos, o local passou a se tornar ponto de ligação entre as províncias de São Paulo e Paraná e parada de viajantes. Em razão da fertilidade da terra e abundância de água, alguns colonos foram se estabelecendo, até que, em 1860, as famílias Arruda, Faustino e Graciano doaram parte de suas propriedades para a criação do Patrimônio de São Sebastião.

Em 1871, foi instituída a Freguesia "São Sebastião do Tijuco Preto", pertencendo ao município de São João Batista do Rio Verde, hoje Itaporanga.

Elevada à categoria de Vila, tornou-se município em 25 de abril de 1880, pela Lei Provincial 111, mas somente em 1891 recebeu sua denominação definitiva, "Piraju", derivada de "pira-yu" (peixe amarelo, em tupi-guarani), em razão da grande quantidade do peixe “dourado”, nas águas do rio Paranapanema.

   

Em razão da destacada produção de café, durante a primeira metade do século passado, Piraju experimentou significativo progresso e destaque na vida econômica do Estado e país, com melhoramentos urbanos raros para as cidades da Velha República, como a instalação de luz elétrica, água encanada, esgoto, telefone, bonde elétrico etc. Chegou a possuir 10% de toda energia elétrica gerada no País e, em 1906, foi inaugurado o ramal ferroviário, cuja construção foi custeada por cafeicultores de Piraju e Fartura, para permitir o escoamento de suas abundantes safras. O prédio principal da Estação Ferroviária foi projetado pelo famoso arquiteto Ramos de Azevedo, então contratado para a obra.

 Mas o café foi também o responsável por duros golpes na economia da região que se baseava na monocultura. O último deles, a geada de 1975, arrasou todo o seu cafezal, deixando seus proprietários sem rendimento por longo período. Todavia, o tipo de solo apropriado, a topografia e o predomínio de pequenas e médias propriedades incentivaram maciços investimentos na agricultura local. Modernizando suas técnicas, restauraram-se essas culturas, aliando-as a outras, como o milho, e ainda à criação de pequenos animais - aves e suínos.

Em 2002, transformou-se em Estância Turística, título atualmente restrito a um grupo de municípios paulistas e que garante verbas estaduais adicionais para investimento turístico.

Além do potencial turístico, hoje, Piraju é município conhecido internacionalmente pela produção de café de qualidade, iniciado com produtores filiados à PROCED (Associação dos Produtores de Café Descascado de Piraju e Região). Destaque-se também a APPI (Associação de Plasticultores de Piraju e Região), integrando produtores de horti-fruti de alta qualidade.

Formados a partir da Escola Municipal de Canoagem e de projetos estaduais e federais, os atletas pirajuenses de canoagem slalom e velocidade são destaques mundiais, sendo cotados para integrar a equipe olímpica do Brasil nas próximas Olimpíadas, em Londres (2012) e no Rio de Janeiro (2016).

Além de um rico patrimônio paisagístico e histórico-arquitetônico, vale ressaltar a grande diversidade cultural pirajuense, identificada em vários grupos e manifestações artísticas locais, havendo grande circulação de grupos artísticos, por meio de projetos de fomento e difusão, perfazendo as seguintes linguagens: teatro, dança, música, circo e cinema.

Atualmente, vários investimentos públicos e privados são aplicados, com o objetivo de encontrar no turismo um modelo econômico gerador de renda e emprego.

Jornalista Gervásio Pozza

Galeria de fotos